terça-feira, 3 de julho de 2012

O DESAFIO QUE OS DONOS ENFRENTAM

Os proprietários de cães atualmente enfrentam desafios diferentes. Quase ninguém tem tempo suficiente. O fator tempo favorece o surgimento de problemas nos cães que podem ser impossíveis de corrigir. Um cão deixado ao acaso passa por diversas experiências durante o dia na ausência a e até na presença do dono. Algumas destas experiências não são percebidas de imediato. O cão pode morder delicadamente um sapato ou roer levemente o pé de uma mesa tirando até alguns gracejos de seus donos. Esta emoção liberada pelo dono pode ser um estimulo poderoso para este cãozinho, que como comentei anteriormente, “sente coisas que nem sequer imaginaríamos!” Este comportamento enquanto o cão é ainda um filhote, não causa muito estrago. Por outro lado na mesma proporção do crescimento a força aumenta e a delicada mordida agora é capaz de num passe de mágica fazer desaparecer meio sapato. O suave e doce latido do filhotinho transforma-se num amargo e estridente incomodo em poucos meses. O minúsculo xixi na cozinha sempre termina deixando marcas não muito agradáveis e mal cheirosas na sala enquanto que a mordidinha nos dedos faz um estrago razoável em nossos filhos. Sem contar as inúmeras vezes que os nossos queridos amigos degustam as próprias fezes. As questões principais neste momento são as seguintes: Como estes problemas surgem? Porque surgem? É genético, ou não? Como se manifestam? O adestramento pode resolver estes desafios? Não podemos perder de vista que o descontrole comportamental é um dos desafios que 90% dos proprietários gostariam de não ter. A agitação que o filhote demonstra nos primeiros dias se não controlado, no futuro vai gerar a ansiedade que por sua vez se converterá em agressão. Tenha certeza que seu cão vai fazer um montão de coisas pra chamar sua atenção. O grande problema é que geralmente acontece longe de você. Quando o cão está sozinho, tenta procurar seu dono e amigo utilizando seus sentidos para detectar e encontrar. Passeando pela casa, utiliza a audição e sem sucesso, inicia um processo de busca pelo olfato. Com mais de 150 milhões de células olfativas qualquer toque de seu dono em objetos já lhe chama a atenção. Para amenizar a solidão ele apanha este objeto com a boca e tenta atrair seu dono, mais uma vez sem sucesso. Por vezes acontece de o dono chegar exatamente  no momento em que o cão está mordendo algum objeto, ou apenas com algo na boca, e muitas vezes o cão cria uma ponte entre este objeto e a chegada do dono. Ele começará a pegar certos objetos na boca com maior frequência. Um conselho para as empregadas: quando for varrer o chão, e o filhote resolver brincar com a vassoura, não ache graça, nem estimule, pois isto se tornará um problema no futuro. Outro erro fatal é quando o dono brinca com seu cão de perseguição, principalmente quando ele está com algo na boca. Isto favorece o surgimento do comportamento de roer e destruir coisas. O cão associa o dono com certos objetos e começa a brincar com estes objetos com a finalidade de atrair seu dono. O proprietário inteligente sentirá o desejo de associar sua presença com algum brinquedo, isto é muito válido. Algumas regras devem ser seguidas: 1º- o brinquedo é seu, e não do cão. 2º- Você permite o cão brincar com seu brinquedo. Repetindo isso numa base consistente, em breve o cão vai esperar você chegar para brincar com o seu brinquedo. Eventualmente, você pode “esquecer” o brinquedo em alguma parte da casa e deixar o cão encontrar e deliciar-se. Desta forma, o stress será eliminado, a ansiedade corrigida e o autocontrole estimulado. Quando estiver por perto, você será o brinquedo dele. Sem dúvida os desafios e problemas evoluíram com o tempo. O cão de rua que hoje atravessa na faixa a 40 anos atrás não tinha esta preocupação. Aqueles que não aprenderam pagaram com a própria vida e tiveram seus corpos esmagados, ao passo que os que descobriram a faixa de pedestres transmitiram este aprendizado aos filhotes. Ou evoluíram ou morreram. Ao passearmos pelas grandes cidades podemos verificar os remanescentes dos cães que evoluíram na grande selva de pedra. Nos museus podemos encontrar fotos de cães bastardos da década de 50 e 60 que já não existem mais. Não conseguiram evoluir. Trilharam o mesmo caminho que os dinossauros. A selva de pedra engoliu milhares de cães nos últimos 40 anos, uns poucos restaram e transmitiram geneticamente aos filhotes o aprendizado. Ao sair na rua você vai ver o que estamos falando. Cães de rua atravessando na faixa e que conhecem a panificadora, o açougue, a banca da esquina a vizinha da casa ao lado que os alimenta diariamente com restos de comida e assim por diante. E também tem aqueles cães de raça pura que evoluíram. O Pastor Alemão de estrutura e beleza do inicio do século passado não tem nada a ver com o atual campeão mundial deste ano. Os cães de pastoreio também mudaram. Raças grandes ou pequenas sofreram, ou melhor, passaram por mudanças. E todas estas mudanças contribuíram para os novos desafios que os donos enfrentam atualmente. Você pode eliminar muitos problemas ou desafios escolhendo o cão correto. O cão não é um brinquedo que você desliga ele quando quer, ele requer atenção e cuidados.


Protegido Por Direitos Autorais. É Proibida Sua Reprodução Em Parte Ou Integralmente Por Qualquer Forma Ou Meio Eletrônico,
Mecânico, Inclusive Por Meios Xerográficos, Incluindo Ainda O Uso Da Internet, Sem A Permissão Expressa Do Autor.
Aguinaldo Diniz - Adestrador Profissional (Lei n° 9.610, de 19.02.98)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por Dentro da Mente dos Cães

Por Dentro da Mente dos Cães
Um livro que você precisa ler!

Seja Adestrador Sistêmico

Seja Adestrador Sistêmico
Trabalhe com Adestramento de cães, participando do Curso para formação de Adestradores Sistêmicos. Adestramento de cães é o mercado que mais cresce no Brasil! Curso Técnico de Adestramento com o Trainer NLP Aguinaldo Diniz.

Localização